19 de out de 2010

Um fim assim


Pedaços de vida que foram rabiscados apenas para o seu prazer, em telas e papéis enviados, em envelopes usados, pequenos poemas e palavras um tanto sem nexo deixando de fora uma pessoa amargurada e complexa.

Pena que havemos de fechar as portas, colher as flores dos jardins antes que murchem de vezes; trancar a janela por onde olhávamos nos olhos e dizíamos palavras silenciosamente de ternura. Não. Hoje, restou-nos a amargo que cresceu nessa árvore que nutrimos sem preocupações e devidos cuidados. Frutos podres apareceram e contaminaram o resto da colheita...
Como num belo e lindo filme, cujo final choramos porque alguém morreu, não foi possível adubarmos nosso solo e fazê-lo firme para suportar as dores causadas por uma paixão sem chão...

Mnilza
29/11/2006

15 de out de 2010

14 de out de 2010

Tantas palavras!


Segui os teus passos pensando
que soubesses o caminho.
Vi-me em teus sonhos perdida,
sem direção a seguir.
Mundos tão estranhos,
Passos errantes, nas palavras ouvi
no reflexo de teus olhos,
afogados em gelo eu descobri:
Falar de amor não é amar,
Nem tampouco querer ninguém
Cai em pedaços, grãos de areia
carregados por marés onduladas
Derreti em teus lábios sentindo
o chão sumir sob meus pés.
Esqueci dos dias do verão que inventei
e sei que tu vives das mentiras que acreditei.