31 de mar de 2010


E assim amanheceu meu dia.
Nem imaginava que ele estaria de braços abertos pra mim.
Fiel e perseverante fincava pé ali, como se a espera de um Cristão.
Abri os olhos e pensei em como o mundo tem mudado, como os homens se esquecem de suas promessas!
Como ferem uns aos outros sem constrangimento, sem ética!
Mas, ele não. Continuava com seus braços estendidos e chamava com os olhos, pedia sem falar: Venha! Eu amo você.
Em suas palavras, mesmo que não escritas aos nossos olhos, estavam o apelo, a tranqüilidade de uma vida melhor que só de nós dependeria, apenas aos homens seria dado esse poder.
O arbítrio de ser livre, de ser o tutor de seus caminhos, a peça fundamental da edificação de seu coração.
Nele não havia a cobrança, o julgamento tão presente em nós.
Dizem que já faz tempo, anos, séculos e até colocam um marco após sua chegada – AC –
Mas, não percebo em seu rosto o cansaço, as marcas do tempo.
Suas vestes foram ainda recebidas por escambos, mas guardam a sutileza de uma moda que não vem, vai e volta. São lindas e sublimes tal qual sua linguagem, suas palavras, suas advertências.
Cabendo a nós a filtragem da verdade, do perigo.

Sentir a única realidade: O amor vence.

29 de mar de 2010

Desafio

Recebi este selo da Manuella do Blog
Fragmentos Íntimos e repasso a todos.

Regras:
Completar a frase - A Magia é
"manter-se firme e feliz independentemente dos fracassos"

O estar consigo mesma e ser feliz é um exercício difícil, porém, bastante prazeroso. É fundamental que nos compenetremos a fim de irmos bem dentro de nós e alcançar uma completa dedicação à vida. Para isso a exigência que nos cabe redobra em todos os sentidos.

É neste cenário que entro no tema: “a Magia é manter-se firme e feliz independentemente dos fracassos”. Parece utopia se nos detivermos na análise fria das letras, mas não é.

Fundamental observar e conhecer os movimentos errados em nós; pois eles são a fonte das dificuldades e temos de perseverar em busca daquilo que seja melhor para nós e não prejudique ninguém.

A maneira como percebemos e sentimos o que nos rodeia é a chave que abra a porta do sim e do não. Da alegria e da tristeza. Da vitória e da derrota. Tentemos, pois!

Oferecer a 10 blogs ou a quantos mais quiseres

Ofereço a todos meus seguidores ou não que adotam o carinho para entrar aqui e deixar sua marquinha particular.

Boa semana a todos.

27 de mar de 2010

O que representa uma condenação?


Uma semana marcada pelas lembranças, pela dor de alguns, revolta de outros e aquele gostinho amargo na boca, representando sentimentos vários e mistos de uma mãe que fica sem o seu bem maior – a filha.

O grito de justiça visto ou não, traveste-se em lágrimas e mal-estar. Num gesto de fuga aparente de um lugar que lhe traz à tona a pretensão de um sentir, que jamais se traduzirá em penas, em julgamentos, em cárceres, em grades e privações.

Quem haverá de suprir-lhe os carinhos daquela mãozinha no rosto?
O que poderá substituir os contos diários após a escola?
Quem lhe servirá de incentivo para lutar por dias futuros?
Qual será a pena aplicada a saudade que sufocará seus dias?
Quem haverá de revelar com lealdade e fidelidade o corpinho crescendo diante do tempo?

Certamente, a justiça dos homens está longe de responder.
Obviamente, aos homens Deus não concedeu a graça de alcançar tal sabedoria.

Bom final de semana a todos!

25 de mar de 2010

21 de mar de 2010

Só ou solitário?




A solidão se esconde na sombra
De um deserto nas pessoas sem amor
Na ausência de firmeza de alguém
Tão presente que se faz sumir
Diante de falsas esperanças.

Ausenta-se ao redor do desequilíbrio
Do pseudo-amante que apenas engana
A si e a todos que cruzam seu caminho
A solidão é a mãe de quem se deixa
Descansar no leito da vergonha
Na rede, na brisa,
no vento soprando mentiras.

Ela varre o pó dessa frondosa árvore
Feita e nutrida por falsidades ideológicas
Sentida na dor da boa-fé e do caráter.
Pois, nega a quem lhe estende a mão
Opta pela companhia da paixão
Delicia-se entre as pernas da ilusão
Morre coberta pelas redes que a faz só.

20 de mar de 2010

Dia do Blogueiro - 20 de março


Parabéns para todos nós que nos aventuramos nesse mundo mágico de escrever, ler e interagir !
Parabéns blogueiros!!!

Eu trouxe o selo do blog Ideias de Milene da Milla Galvão e repasso para vocês.

19 de mar de 2010

Loucos



Onde foi que aprendeste a me olhar assim?
Vá, toma, leva.
Emprestei-te um pouco, agora leva o resto.
Não tenho o que fazer com o que ficou de mim.
Amo minha loucura, tal qual a ti.



Encontrei alguém
ainda mais louco que eu.
E até escreves!...
Tuas palavras são tão eternas
Que eu poderia morar nelas
Ser cada letrinha de tua frase.
Me salva no teu computador,
Escreva uma história linda
Assim, vai matar-me de vez.
Nossa loucura junta nos salva.
Tu me salvas.
Ama o que há de pior em mim.
Então leva. Leva-me e não devolva.
Leva-me e construa um bar em ti,
Deixa-me embriagar até o fim.
Porque nada mais nos resta.
Eu te resto. Eu e nossa loucura.

Temos vida, um coração que ainda bate.
Temos nossa falta de juízo, nossas palavras,
Nossos livros, canções e uma imaginação sem fim.
Será preciso mais?




Recebi este selo da Angela do Blog Carinhos-Entremeios. Feliz eu ofereço a todos os seguidores deste blog que com tanto carinho deixam seus comentários aqui.
Obrigada Angela!!




17 de mar de 2010

Por que somente os 'ROYALTIES"



Além de todas as belezas naturais e minerais que - nós, os cariocas - temos e dividimos com turistas e migrantes de outros estados, que tão bem recebemos de braços abertos aqui, hoje amargamos o descaso e a intenção de políticos "estranhos" quererem nos levar o pouco que temos para cuidar dessa cidade até então Maravilhosa.

A proposta aqui é a de que se levam os Louros (royalties) que levem também o resto, a desordem, a crimnalidade, enfim, o nosso passivo que só faz aumentar e fazer com que - nós, os cariocas - queiramos sair desse pedacinho de céu, que a todo custo querem transformar no mais ardente inferno!!

LEVEM TAMBÉM!!


Pane no Metrô
Um dia depois de a Justiça ter dado um prazo de 30 dias para o Metrô restabelecer a eficiência do serviço, sob pena de multa diária de R$ 100 mil, um trem apresentou pane ontem. Pela quarta vez em menos de...

Falta energia até na saúde
Em visita surpresa ao hospital Albert Schweitzer ontem, a Comissão de Saúde da Alerj e o Sindicato dos Médicos detectaram erros nas obras da subestação de energia da unidade.

Beltrame ressalta expansão das favelas
“O Rio tem mil favelas e estamos começando. Temos que fazer uma política permanente, mas é preciso ficar claro que isso não vai terminar com a violência. Precisamos de policiais, recursos para fazer isso e hoje o Rio tem uma deficiência muito grande de efetivo. Preciso de policiais novos”, disse o secretário.

Na entrevista, ele chamou atenção também para a expansão das favelas na cidade. “O problema geográfico e a expansão desordenada, esses problemas, hoje estão caindo no nosso colo. A Ladeira dos Tabajaras já está para o lado de Botafogo”, ressaltou ele, ao falar da dificuldade de cerco na favela devido a seus vários acessos.

Vejam AQUI !

14 de mar de 2010

Porque há dias em que só queremos ouvir uma boa música!!

Bom domingo a todos.

12 de mar de 2010

Dia do Bibliotecário


"Comemora-se (desde 1958) no Brasil, no dia 12 de Março, o Dia do Bibliotecário, em homenagem a Manuel Bastos Tigre, que nasceu nesse dia, em 1882. Foi um homem multifacetado, tendo sido ao longo da sua vida engenheiro, jornalista, poeta, compositor, teatrólogo, humorista, publicitário, etc.. Em 1915, aos 33 anos de idade, deixou de exercer engenharia e passou a devotar a sua vida em completo aos livros e à Biblioteconomia (um dos factores que induziu essa mudançafoi o facto de ter conhecido anos antes, nos Estados Unidos, Melvil Dewey). Trabalhou desde então no Museu Nacional, na Biblioteca da Associação Brasileira de Imprensa, na Biblioteca Nacional (1945-47) e de seguida mais de 20 anos na Biblioteca Central da Universidade do Brasil, onde exerceu o cargo de Director. Faleceu em 2 de Agosto de 1957, aos 75 anos."


Falar dessa profissão hoje é falar de um profissional que está deixando de lado os tipos caracterizados há tempos idos, na figura da pessoa de óculos e coque que pedia silêncio na biblioteca, na imagem de um profissional que era um guardião de livros. Hoje, temos um modelo de informação totalmente recuperável via ambiente virtual e este profissional que recupera a informação é um típico representante de um mundo globalizado e informatizado, e neste cabe perfeitamente a figura do bibliotecário.

O bibliotecário hoje é um profissional atuante em várias áreas no mercado, ele ministra cursos que não necessariamente sejam somente voltados para bibliotecários, mas, para profissionais de outras áreas, ele presta consultorias em sua área, está entrando no mercado como um profissional autônomo e multifacetado. Ser bibliotecário hoje é sinônimo de uma infinidade de possibilidades profissionais, o bibliotecário tem se transformado no dia-a-dia em um profissional cada vez mais completo e com um leque amplo para atuar profissionalmente, ao contrário de alguns anos atrás onde esse profissional se limitava a atuar somente em bibliotecas.

Se o profissional bibliotecário deseja ter o que fazer no futuro tem que aprender a ter seu projeto pessoal, aprender a agregar valor a sim mesmo, ao seu desempenho profissional e isso é ter um projeto. Na verdade, ousamos dizer que é: ser um projeto pessoal profissional a cada dia, dessa forma deixa-se um legado e abraçando a porção que nos cabe neste imenso espaço trabalhista.

Parabéns a todos os Bibliotecários e a mim também!!!


video

11 de mar de 2010

Postagem Coletiva - 1ª Edição



Amanhece.
Levanto-me.
Caminho e faz sol.
Flores lindas e suaves perfumam
O rastro que meus pés deixam no ar.

Sento-me.
Comigo as letras, as palavras
Expressões que são testemunhas
Daquele momento.
A brisa sopra meus cabelos
Sinto-me quase feliz.

Num leve gesto, curvo a cabeça
Sacio a fome de leitura
Do conhecimento de mim
Do saber além do desejo.
Do prazer que as letrinhas me trazem.

Sem fim

Talvez eu pudesse recomeçar,
Talvez eu seja capaz de começar várias vezes.
Talvez eu seja capaz de (re) amar,
Talvez eu consiga ser o que tentei ser.

Muitas vezes eu não ando,
Calo-me, não ouço.
Mas, nesse momento percebo
Que te amo ainda mais.
Muitas vezes ando demais,
Falo e escuto demais.
Novamente é em ti que penso,
É a ti que eu quero.

Há contradições por todo meu ser.
Às vezes sorrio quando todos estão sérios.
Nada é capaz de calar a voz que grita
E agita meu coração.
Deixa-o inexplicavelmente sem direção.

Sem caminho e perdida em mim mesma,
Entrego-me aos teus domínios,
Seguindo seus passos por trilhas
Desconhecidas, inesperadas sem fim.
Mas, o que fazer se não aprendi
Esse caminho sem ti?
Sigo, tropeço e tantas vezes bailo.
Num sentimento que me tira do sério,
Transformando-me em cada passo,
Com sorrisos e esperanças sem causa
Num amanhã que breve aconteça.

Postado em 20/05/2006.

8 de mar de 2010

Mulheres

Nós sorrimos quando sentimos enorme vontade de gritar,
para o mundo ouvir...
Nós cantamos quando nos olhos brotam lágrimas
de tristeza ou dor.
nós choramos quando a felicidade bate á porta e não esperamos..
E rimos, damos gargalhadas quando os nervos afloram à pele.
Brigamos por tudo que acreditamos e queremos de fato.
Levantamos a justiça quando cremos na causa,
ainda que em bandeira única.

Nós não aceitamos um "não" como resposta quando
quando sabemos ter melhor solução.
Nós caminhamos sem sapatos para que as crianças os tenham.
Somos solícitas com amigos
que se assustam com notícias várias..
amamos incondicionalmente. Sem razão de ser.

Nós choramos quando os filhos queimam em febre.
E nos alegramos com seus prêmios e vitórias.
ficamos alegres quando sabemos da
felicidade dos amigos
em seus aniversários, casamentos e formaturas.
chorando , sorrindo, vibrando
nos sentimos a melhor critatura!

Adaptação do Poema Mulheres
de Pablo Neruda

2 de mar de 2010


Quando estás longe de mim
Invade-me o frio.
Ando pela casa às escuras,
Um ser delirante e obsessivo por ti
A cada minuto anseio
por teu corpo, tuas mãos.
Paredes, portas e janelas
Tornam-se objetos animados
Escutam meu suspirar de amor,
Metade de meu ser
Porque a outra metade sou eu,
em metades.
Devolva o que é meu,
Traz de volta o que levou.
Paredes, muros e muralhas
Eu grito, escutem!
- Venha amor meu,
Te espero! Te preciso,
Pressinto e venero!
Não! Louca não sou
por falar com paredes,
Mas insana sou
Por amar-te tanto,
Quando te imagino em mim,
Sozinha, eu e minhas paredes!
Descabelo-me, atiro-me contra elas,
Na tentativa vã de sentir-te em mim.