10 de out de 2009

Vida de escritor - Blogagem Coletiva


Proposta muito feliz da Vanessa

"Em momentos de crise, só a imaginação
mais importante que o conhecimento."
(Albert Einstein)

Quem de nós já não pensou em escrever e publicar um livro? Acredito que boa parte dos que por aqui passam já imaginaram um belo texto, uma linda história a ponto de ser conhecido por inúmeras pessoas, vê-las em livros em capa dura ou em brochura, mas de forma a alcançar muitas pessoas.

Todos nós que nos aventuramos ou nos dedicamos à escrita temos um pouco dessa imagem disseminada, um sonho de que em futuro próximo ou não nosso trabalho seja reconhecido, ainda que num passo de mágica, estar dentre os melhores e mais vendidos no mercado.

De repente, você se vê num belo e fascinante vício, este de querer escrever em forma de amor, fazer com que as teclas saltitem de alegria só porque você se encontra inspirado e quer colocar diante de seus olhos e depois de outros tantos, aquilo que lhe passou em mente, em sonho, em devaneio e se misturou a sua realidade que é esta de se plantar diante de um computador e ficar horas lendo, saboreando escritores fantásticos e se achando possivelmente um deles um dia.

Mas, estou aqui. Uma simples blogueira rodeada de pessoas maravilhosas que lêem o que todos escrevem e elogiam, porque muitos são bons mesmo, mas ainda que não sejam tanto assim – o simples fato de dedicarem seus minutos e horas ali já valeram o elogio... É sabido que não se acham autores em blogues. Ainda não existem caçadores de grandes talentos da escrita em blogues. Entretanto, estamos felizes, certos de que alguém vai ler os rabiscos e versos mal rimados ou sem rimas alguma que postamos sempre ao terminarmos.

Escolhi Fernando Pessoa para representar todos os autores e escritores de que gosto e admiro.









"Tenho pensamentos que, se pudesse revelá-los e fazê-los viver,
acrescentariam nova luminosidade às estrelas, nova beleza ao
mundo e maior amor ao coração dos homens."
(Fernando Pessoa, em "O Eu Profundo")


Fernando Pessoa tem a coragem de pensar coisas que sentimos, mas não verbalizamos. Ele pensa por inteiro, com corpo, alma e coração. A emoção em plena ebulição não dispensa a racionalidade. Meu primeiro contato com a obra de Fernando pessoa foi por meio de um presente inesquecível: “O EU PROFUNDO E OS OUTROS EUS",

Até hoje, quando releio seus poemas, sinto como se jamais o tivesse feito, tal é a profundidade e perfeição de seus versos.


Poema preferido da obra:

“Não basta abrir a janela
Para ver os campos e o rio.
Não é bastante não ser cego
Para ver as árvores e as flores.
É preciso também não ter filosofia nenhuma.
Com filosofia não há árvores: há ideias apenas.
Há só cada um de nós, como uma cave.
Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;
E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,
Que nunca é o que se vê quando se abre a janela. “

“Sonho. Não sei quem sou neste momento. Durmo sentindo-me. Na hora calma Meu pensamento esquece o pensamento, Minha alma não tem alma. Se existo é um erro eu o saber. Se acordo Parece que erro. Sinto que não sei. Nada quero nem tenho nem recordo. Não tenho ser nem lei. Lapso da consciência entre ilusões, Fantasmas me limitam e me contêm. Dorme insciente de alheios corações, Coração de ninguém.”(Fernando Pessoa)

O EU PROFUNDO

Senhor, que és o céu e a terra,
que és a vida e a morte!
O sol és tu e a lua és tu e o vento és tu!
Tu és os nossos corpos e as nossas almas e o nosso amor és tu também.
Onde nada está tu habitas e onde tudo está - (o teu templo) - eis o teu corpo.

Dá-me alma para te servir e alma para te amar.
Dá-me vista para te ver sempre no céu e na terra,
ouvidos para te ouvir no vento e no mar,
e mãos para trabalhar em teu nome.

Torna-me puro como a água e alto como o céu.
Que não haja lama nas estradas dos meus pensamentos
nem folhas mortas nas lagoas dos meus propósitos.
Faze com que eu saiba amar os outros como irmãos
e servir-te como a um pai.

Minha vida seja digna da tua presença.
Meu corpo seja digno da terra, tua cama.
Minha alma possa aparecer diante de ti como um filho que volta ao lar.

Torna-me grande como o sol, para que eu te possa adorar em mim;
e torna-me puro como a lua, para que eu te possa rezar em mim;
e torna-me claro como o dia para que eu te possa ver sempre em mim e rezar-te e adorar-te.

Senhor protege-me e ampara-me.
Dá-me que eu me sinta teu. Senhor, livra-me de mim.


De certa forma, todos querem escrever e poucos são os que resistem a isso. Escrever retrata um padecimento de angústia e algumas vezes a debilidade em viver. Talvez, o modo de evitar paixões sem canto, ou alimentá-las sem as sofrer tanto.

17 comentários:

angela disse...

Ficou bonito seu texto, sua sinceridade e como encadeou os poemas de Pessoa ficou muito bom.
Parabéns
beijos

Sandra disse...

Parabéns pela postagem amiga.
Vou tentar participar. Achei muito legal o tema.
Quando eu voltar para Jaraguá, se der tempo.
Dei uma fugidinha.
Com Carinho e bom feridão.
Muito obrigada pela visita

Sandra

Dalva disse...

Verdade, Nilza, nós - blogueiros - somos aqueles que nos aventuramos na escrita... e é tão bom quando nosso monólogo com as teclas torna-se um diálogo se alguém nos lê e nos dedica um pouco de carinho.
A escolha de Pessoa sempre é uma escolha acertada e bela.

Uma semana de paz!

Bjs.

Pena disse...

Maravilhosa e Simpática Amiga:
Fiquei a conhecê-la um bocadinho melhor. Isso, é fascinante.
Tem uma forma de conceber a Blogosfera de intensa e imensa paixão e repleta de ternura e beleza ímpares.
Quando entramos neste mundo, sentimos em nós o gosto pela descoberta, pela amizade, pela multidão anónima do sentir.
"...De repente, você se vê num belo e fascinante vício, este de querer escrever em forma de amor, fazer com que as teclas saltitem de alegria só porque você se encontra inspirado e quer colocar diante de seus olhos e depois de outros tantos, aquilo que lhe passou em mente, em sonho, em devaneio e se misturou a sua realidade que é esta de se plantar diante de um computador e ficar horas lendo, saboreando escritores fantásticos e se achando possivelmente um deles um dia..."

É bem verdade. Fica entranhado um vício que não fere, nem magoa.
Deve-se encarar estes doces encontros como uma "brincadeira" alegre e séria. São pessoas/Seres Humanos fabulosos.
Adorei lê-la.
Com respeito imenso.
Beijinhos amigos de parabéns sinceros.

pena

Bem-Haja, perfeita amiga enorme.

Jorge Carvalho disse...

Assim como os pássaros não vivem sem o céu, assim como os peixes não respiram sem a água, assim como os planetas não existem sem o universo, posso dizer, com toda sinceridade, que não sei viver sem amor.
São palavras escritas agora, mas para serem lembradas para sempre, guardadas no teu coração e na tua mente.
FERNANDO PESSOA que possuía vários heterónimos, fui um dos maiores escritores e poeta, a par de Luís de Camões, em Portugal.

jamesp. disse...

Parabéns pelo post e pelo blog.Um abraço.

Vanessa disse...

Que bonito. Bela escolha num lindo post. Muito obrigada por participar da coletiva.

Um abraço!

Tempestade disse...

Lindo o seu texto!
Se alguém não gostava do Fernando Pessoa, a partir desse post vai correndo conhecer a obra e o autor.
Sim, ele escreve aquilo que pensamos e não verbalizamos.
Beijos Tempestuosos!

Jaqueline Sales disse...

Achei esse texto do Jean-Yves Leloup lindo, por isso vou diexa-lo com você, Nilza.

“Inicialmente os Terapeutas de Alexandria cuidavam do corpo. Nos Evangelhos muitas questões são colocadas sobre este momento da imposição das mãos. A importância da mão através do tocar, através da simples imposição, deixando passar através dela a energia da cura. Jesus é um terapeuta que tem mãos e pede a seus discípulos que imponham as mãos sobre os doentes. Na tradição dos Antigos há um texto que também é encontrado no Evangelho de Tomé, o qual nos diz que temos uma mão na nossa mão. E esta é uma palavra da qual precisamos nos lembrar quando acompanhamos um doente. Porque temos a nossa mão, com o seu conhecimento e a sua competência, mas através dessa mão flui a grande mão da vida.
Jesus cuidava também dos doentes através de sua saliva... Jesus trata os doentes com suas mãos, com sua saliva e também com suas lágrimas...
... Quando Jesus despertava, naqueles que encontrava, o coração de pedra, ou um coração fechado pelo medo e pela recusa, este coração se liquefazia no amor. Por isso dizemos que Jesus era um Terapeuta no sentido físico do termo.
Jesus era também um Terapeuta da alma e da psique. Ele transformava as pessoas em seres capazes de perdão. Perdoar é parar de identificar o outro com as conseqüências negativas de seus atos e parar de nos identificar com as conseqüências negativas de nossos atos. Esta é a própria função do terapeuta. Diante de alguém que está fechado em suas memórias e fechado no encadeamento de causas e efeitos de seus atos, é preciso recolocá-lo em marcha na direção da vida.
Esta é uma bela tradição das bem-aventuranças e, em hebraico, pode-se traduzir bem-aventurado por "Em Marcha!", como tão bem o fez André Chouraqui.
"Em marcha os humilhados do Sopro!...
Em marcha os humildes!...
Em marcha os famintos e sedentos de justiça!.
O ensinamento de Cristo é um convite à caminhada, a ir mais longe, a não se fechar no destino da doença, no destino social. Trata-se, pois, de reabrir a nossa capacidade de ir mais longe.
Jesus é também terapeuta no sentido espiritual do termo, no momento em que ensina seus discípulos a orar. Orar não é recitar preces, mas entrar em relação e em intimidade com a própria fonte do seu ser.
Então Jesus mostrava-se Terapeuta ao ensinar que pela prece o homem podia religar-se à sua fonte. Sabe-se que muitos sofrimentos e doenças ocorrem porque o homem se sente cortado da fonte do seu ser, cortado do seu desejo essencial, cortado do desejo essencial da vida que corre através dele. Quando ele se religa a esta fonte, a cura pode ocorrer. Esta cura ocorre também na comunidade, cada um na religião que é a sua, através do provar de sua própria fonte.”

BeijUivoooooooooossssssssss da Loba

Luciano A.Santos disse...

M.Nilza,

Não sou um fã de carteirinha de Pessoa, mas reconheço sua grandeza. Belo post.

Abraços.

Ana Maria disse...

Adoro Fernando Pessoa!
Parabéns pela postagem!
Tenha um feriado ótimo!
Beijinhos de luzes!

Mari Amorim disse...

Olá,M.Nilza
que delicia de texto,adorei,sua participação.
Boa semana!
Boas energias
Mari

Cristina e Márcia disse...

Oi Nilza
Adoro Fernando Pessoa!!!!!! Muito mesmo, tenho muitos livros de seus heterônimos. Ele me fascina pq sou um pouco assim, tenho várias de mim aqui dentro, sempre querendo se manifestar. E cada uma tem sua linguagem própria. O que será isso? rssrsrsss Minha veia poética se expande em um blog fechado, quando eu tiver coragem, revelo. Ali sou eu. Nos outros blogs me misturo com a Cris, q é bem parecida comigo no geral. tanto q escrevemos um livro juntas, e estamos terminando a sequência.
Amei sua postagem!!!
Beijos, Marcia

Inês disse...

"Escrever é um apelo pro mundo pra que, nos lendo, aquiete nossa solidão."
Muito prazer!
Inês!

Sandra disse...

Ola!
Vim lhe dizer que a postagem já está lá.
Gostei do seu texto estou participando da blogagem coletiva com o meu blog: Uma Interação de amigos, agradece a sua visita.
http://sandrarandrade7.blogspot.com

Este é um momento em que se aprende muito, um com o outro.
Com carinho
Sandra

Daniel Savio disse...

Não sei se o livro que eu escrevo gostaria se todos lessem...

Ele chama a minha vida, mais alguns VIPs pode le-lo...

E você é uma desta.

Hua, kkk, ha, ha, brincadeira com um fundo de verdade.

Escolhas bonitas, principalmente o eu profundo.

Fique com Deus, menina M. Nilza.
Um abraço.

Lunna disse...

Carissima, que delícia de post. Não participei, mas estou lendo posts excelentes dessa blogagem...
A forma como você exibiu um diálogo conosco e com o próprio Pessoa, afinal, pra mim, ler Pessoa é o mesmo que estabelecer um diálogo com ele. Fico eu a imaginar se ele existisse em nossos dias atuais como seria. Já pensou Fernando Pessoa enquanto blogueiro?
Beijos